Afiliado a:

Campanha de combate e prevenção ao escalpelamento se inicia hoje

Com o objetivo de alertar e prevenir os acidentes com escalpelamento ocasionados pela exposição de cabelos ao eixo do motor de embarcações nos rios do Pará, foi lançada hoje a III Semana Paraense de Enfrentamento aos Acidentes de Motor com Escalpelamento. A distribuição de material informativo em feiras livres e a cobertura do eixo do motor de embarcações são algumas das ações da campanha.

Com o tema: “Defesa da vida e sensibilização para a segurança do transporte em nossos rios, furos e igarapés paraenses” e visando fortalecer a rede de prevenção, educação e assistência à saúde, o evento é realizado em 10 municípios paraenses que já tiveram algum registro de escalpelamento. Entre esses estão: Abaetetuba, Limoeiro do Ajuru, Curralinho, Breves, Portel e Bagre.

Ainda como parte da campanha será realizado, nos dias 23 e 24, em Abaetetuba, o I Encontro de Educação, Saúde e Prevenção e o II Colóquio do Atendimento Escolar Hospitalar da Fundação Santa Casa e Espaço Acolher. “É um momento significativo para reafirmarmos compromissos entre gestores estaduais, municipais, barqueiros, profissionais de saúde e sociedade civil para a integração coletiva em ações de saúde e educação”, disse Socorro Silva, coordenadora estadual de Mobilização Social.

Na programação haverá roda de conversa com trabalhadores de saúde, cobertura de eixo de motor nos municípios de Abaetetuba e São Sebastião da Boa Vista, abordagem aos barqueiros, curso de Capacitação em Tecnologias em Saúde no uso de curativos industrializados para atendimento de Urgência e Emergência de Lesões das Vítimas, entre outros. A secretária Adjunta da Sespa, Heloísa Guimarães, também estará participando da abertura, apoiando a ação.

A campanha encerra no próximo domingo (27), na Praça da República com uma ação em parceria da coordenação estadual de Hepatites Virais com o serviço de testes de Hepatites B e C, teste de HIV/Aids e Sífilis e a participação especial do Arraial do Pavulagem.

Em 2017, apenas um caso de escalpelamento foi registrado nos rios paraenses. A redução dos casos vem acontecendo com um trabalho integrado feito pela Comissão Estadual de Enfrentamento aos Acidentes com Escalpelamento (CEEAE), composta pela Marinha do Brasil, Fundação Santa Casa de Misericórdia, Defensoria Pública do Estado, Secretaria Estadual de Transportes (Setran), Capitania dos Portos, Ministério Público do Estado, Sindicato dos Médicos do Estado, Sociedade Paraense de Pediatria e Secretaria de Estado de Educação (Seduc), entre outras entidades parceiras.

Com informações: G1

Deixar um comentário