Afiliado a:

Comissão de Combate ao escalpelamento discute plano anual de trabalho

Com o objetivo de discutir o plano anual de trabalho, a Comissão Estadual de Combate ao Escalpelamento esteve reunida, nesta manhã (25), na sede do Sindicato dos Médicos do Pará. De acordo com dados, em 2015, 11 pessoas foram vítimas de escalpelamento, apenas no estado do Pará e este ano uma pessoa sofreu este acidente no estado.

Para a representante da Sespa, Socorro Silva, que coordena a política estadual de combate ao escalpelamento, a partir desta primeira reunião o grupo vai executar as ações que foram aprovadas no projeto. “Nesse plano de 2016, a gente apontou coisas importantes para que sejam executadas como linha de frente, como por exemplo: trabalhar o comprometimento dos gestores locais dos 46 municípios onde ocorrem estes acidentes para que assumam o compromisso de tornar o escalpelamento uma política do município”, disse.

Entre as orientações fundamentais para evitar o escalpelamento, o grupo vai trabalhar a lei aprovada em 2009 que obriga todos os donos de barcos a cobrir o eixo do motor e a punição à aquele que descumprir esta lei. Visto que ano passado houve dois casos de escalpelamento em embarcações públicas, a comissão também notificará as prefeituras de cada município ribeirinho para que as secretarias de educação apresentem os seus contratos da contratação do transporte escolar.

Nós estamos nessa comissão desde o início dos trabalhos e temos contribuído não só participando ativamente das reuniões, mas divulgando e fazendo propostas para os planos que são criados. Dos 144 municípios que o estado possui 72 têm influência hidrográfica e 46 já teve algum caso de escalpelamento”, afirma o diretor João Gouveia.

O médico explica ainda que o Sindmepa se empenha em propor, principalmente, medidas preventivas, como a instalação da proteção do eixo motor, fornecida gratuitamente. Ele também ressalta que o Sindicato vai continuar cobrando e esperando que essa estatística dramática seja reduzida.

Fazem parte da comissão o Sindmepa, Sespa, Marinha, Orvan, SCMP, Fundacentro, DPAIS, Espaço Acolher, Seaster, DPU, SEJUDH, SEDUC, UNICEF, Ministério Público do Pará, Hospital Metropolitano, Sociedade Paraense de Pediatria e Corpo dos Bombeiros.

Deixar um comentário