Afiliado a:

Médicos confirmam a entrega de plantões a partir de fevereiro, em Ananindeua

Diante da falta de acordo com a prefeitura – que pretende reduzir o número de médicos nas UPAs de Ananindeua –, médicos das UPA’s do Icuí e da Cidade Nova vão ratificar ao Ministério Público, Conselho Municipal de Saúde de Ananindeua e à Prefeitura de Ananindeua a entrega das escalas de plantões a partir do próximo mês.

A decisão foi tomada durante a última Assembleia Geral Extraordinária que reuniu cerca de 25 médicos plantonistas de Ananindeua, ontem (19), no Sindmepa.

Os médicos afirmam que a população será a maior prejudicada com a decisão de reduzir as escalas noturnas e diurnas das duas Upas, pois com a diminuição no número de plantonistas nas escalas a tendência é que as filas aumentem expressivamente.

O Sindmepa já encaminhou documento ao Ministro da Saúde, Promotor de Justiça de Ananindeua, Prefeito Municipal de Ananindeua, Secretário de Saúde ratificando que os médicos que compõem a escala de trabalho das Upas manterão suas atividades somente até 01/02/2017.

MOBILIZAÇÃO

Na próxima quarta, 25, os médicos que fazem plantão nas Upas de Ananindeua farão uma mobilização em frente à UPA do Icuí, das 8h às 10h, em seguida a mobilização deve acontecer em frente à Upa da Cidade Nova até às 12h.

 

Veja o documento na íntegra:

 

Excelentíssimo Senhor Ministro da Saúde

Excelentíssimo Senhor Promotor de Justiça de Ananindeua – Saúde

Excelentíssimo Senhor Prefeito Municipal de Ananindeua

Ilustríssimo Secretário de Saúde de Ananindeua

Ilustríssimo Senhor conselheiro Presidente do CREMEPA

Assunto: ENCERRAMENTO DAS ATIVIDADES MÉDICAS NAS UPAS DE ANANINDEUA

SINDICATO DOS MÉDICOS DO ESTADO DO PARÁ, por seus representantes legais que subscrevem, considerando o resultado das negociações com a Prefeitura de Ananindeua (Procuradoria e Secretaria de Saúde), donde, até o momento, por mais de 15 dias, se mantem o impasse e a decisão de redução do quadro de médicos das UPAS ICUI e Cidade Nova;

Considerando que a redução dos profissionais médicos está se dando no momento sazonal de maior gravidade e demanda das doenças respiratórias e virais, em razão do período de chuvas;

Considerando que a redução do quadro de médicos implica comprometimento substancial da qualidade e eficácia do trabalho;

Considerando que a redução do número de profissionais médicos, coincide, também, com a falta de medicamentos básicos de Urgência e Emergência; falta de documentos médicos; indisponibilidade de exames básicos; desvirtuamento das atividades das UPAS, inclusive com a manutenção de pacientes internados, por falta de retaguarda; falta de segurança aos profissionais de saúde e pacientes no interior e entorno das unidades;

Considerando por último, que após mais de 15 dias de negociações, a prefeitura mantém a decisão da redução dos profissionais médicos, nada fazendo para solucionar os problemas e as falhas acima apresentadas, informa que:

Na data de ontem, após assembleia da categoria, restou RATIFICADO QUE OS MÉDICOS QUE COMPÕEM A ESCALA DE TRABALHO DAS UPAS, MANTERÃO SUAS ATIVIDADES SOMENTE ATÉ 01/02/2017;

A medida extrema só será revista se for revogado o ato de redução do número de médicos nas referidas UPAS e, se forem iniciadas as negociações para solução das demais pendências.

Outrossim, em face da gravidade dos fatos, requer URGENTE REUNIÃO com o Conselho Regional de Medicina e o Ministério Público Estadual.

Deixar um comentário