Proposta para atendimento de Urgência e Emergência de Belém

Of. SINDMEPA Nº 211/2015                           Belém (PA), 23 de julho de 2015

 

A Sua Senhoria,

O Senhor Dr. Sérgio de Amorim Figueiredo

MD. Secretário de Saúde do Município de Belém

 

Ilustríssimo Senhor Secretário,

 

Considerando a Portaria nº 354 de 10 de março de 2014 que publica a proposta de Resolução “Boas Práticas para a organização e Funcionamento de Serviços de Urgência e Emergência;

Considerando a Resolução CFM nº 2.077/14 que dispõe sobre a normatização do funcionamento dos Serviços Hospitalares de Urgência e Emergência, bem como do dimensionamento da equipe médica e do sistema de trabalho;

Considerando o plano de emergência apresentado por Vossas Senhorias para tentar melhorar o atendimento de urgência de Belém, após o episódio do incêndio do Pronto Socorro da 14 em uma sala cirúrgica;

Considerando as vistorias técnicas recentes realizadas pelo Sindmepa no HPSM- Guamá e Hospital Samaritano, nas instalações de urgência e emergência das UMS da Sacramenta, Telégrafo, Bengui I, Tapanã, Marambaia, Jurunas, Guamá e na UBS da Pedreira que constatou várias inconsistências que vem contribuindo para a superlotação no atendimento emergencial do Pronto Socorro do Guamá;

Considerando que as condições de trabalho dos médicos nos serviços de urgência e emergência podem comprometer a sua capacidade de fazer o melhor pelo paciente;

Considerando a adoção do Protocolo de Atendimento com Classificação de Risco para melhor organização assistencial dos serviços de urgência e emergência;

Considerando que o gestor deve disponibilizar leitos de retaguarda em número suficiente para pacientes oriundos de serviços de urgência e emergência;

Considerando que o não funcionamento do Hospital Samaritano e a baixa resolutividade das unidades de urgência e emergência de baixa complexidade, estão comprometendo o atendimento à população.

Com o propósito de contribuir com a melhoria do atendimento da população na área de urgência e emergência, o Sindmepa apresenta propostas para avaliação e implementação por esta Secretaria Municipal de Saúde.

  1. Funcionamento imediato do Hospital Samaritano para realização de cirurgias de menor porte e gravidade encaminhada pelos profissionais do HPSM – Guamá;
  2. Funcionamento de forma resolutiva das UMS citadas acima, que se bem equipadas podem absorver grande parte do atendimento prestado hoje no Pronto Socorro do Guamá, contendo os seguintes ambientes, materiais e recursos humanos:

AMBIENTES

  • Sala de classificação de risco
  • Sala de procedimentos com área para sutura, recuperação, hidratação e administração de medicamentos;
  • Sala para reanimação e estabilização
  • Salas para inalação, observação e sala de isolamento (masculino, feminino e infantil);
  • Sala de esterilização com autoclave;
  • Sala de repouso com rouparia completa;

EQUIPAMENTOS, MATERIAIS E MEDICAMENTOS

  • Estetoscópio e esfignomanômetro adulto e infantil;
  • Material de entubação;
  • Aspiradores;
  • Desfibrilador;
  • Eletrocardiógrafo;
  • Oximetro de pulso;
  • Bombas de infusão com bateria e equipo e universal;
  • Respiradores;
  • Material para reanimação cardíaca;
  • Material para pequena cirurgia, curativos de urgência e drenagem de abcesso;
  • Mascaras, sondas drenos, cânulas pinças e cateteres para diferentes usos;
  • Equipos de micro e macro gotas;
  • Colares de imobilização;
  • Pranchas para imobilização e massagem cardíaca;
  • Medicamentos para assistência em urgência e emergência

RECURSOS HUMANOS

  • Nas unidades de pequeno porte, com no mínimo 02 médicos (01 pediatra e 01 clinico) com experiência em pequenas cirurgias e reanimação por turno de 24h;
  • Nas unidades maiores, como Marambaia e Tapanã com no mínimo 03 médicos: 01 pediatra, 01 clinico e 01 médico para atender os casos de pequenas cirurgias, drenagem de abcessos e reanimação com turno de 24hs.

A presença de dois ou mais médicos por turno possibilita que um deles dedique maior atenção aos mais graves pela classificação de risco, evitando a demora no atendimento aos outros de menor gravidade.

  1. Realização das manutenções preventivas e corretivas de forma sistemática;
  2. A Portaria GM/MS nº 2.048, de 05 de novembro de 2002, que define os conteúdos teóricos e práticos necessários para a capacitação de profissionais que atuam nos Serviços Hospitalares de Urgência e Emergência, no caso especifico dos médicos defendemos como prioridade curso de ATLS e pequenas cirurgias;
  3. Realização de triagem médica no HPSM – Guamá, com encaminhamento e garantia de atendimento em outras unidades nos casos de menor gravidade desafogando o atendimento, permitindo um atendimento de melhor qualidade no perfil do hospital;
  4. Ampla campanha de divulgação e orientação aos usuários para que procurem inicialmente atendimento nos casos de urgência e emergência nas unidades do seu bairro, que após a classificação de risco encaminharia os casos mais graves para o HPSM – Guamá ou outras unidades de referência;
  5. Estabelecer parceria com a SESPA, visando ampliar atendimento de suporte na Santa Casa (antiga) e melhoria da resolutividade nas unidades da UBS – Pedreira e Hospital Abelardo Santos (Clínica São Lucas);
  6. Garantia de segurança para os profissionais que atuam nessas unidades de urgência e emergência ou em suas imediações.

Em nossa experiência de avaliação de demanda nos HPSM da 14 e Guamá é de que pelo menos de 60 a 70% dos pacientes atendidos deveriam estar   na atenção básica ou nas unidades de pequeno porte de urgência e emergência, o que deixaria estes hospitais para atender melhor os casos do seu perfil, que são os casos de média e alta complexidade. Nossas propostas melhorariam o fluxo atualmente existente e a população seria atendida com melhor qualidade e próximo a sua residência, dando mais chances aos pacientes mais graves ser melhor atendido e salvos no HPSM – Guamá.

Segue em anexo checklist das unidades visitadas.

 Na luta permanente pela dignidade profissional.

Atenciosamente,

 

Dr. João Fonseca Gouveia                        Dr. Wilson da Silva Machado

Diretoria Colegiada                                      Diretoria Colegiada

 

Dr. Carlos Augusto B. Sinimbú               Dr. Erivaldo de J. Abreu Pereira

Diretoria Colegiada                                      Diretoria Colegiada

 

Com cópia para:

– Governo do Estado;

– Prefeito Municipal de Belém;

– Ministério Público Estadual e Federal

– Ministério da Saúde;

– OAB;

– Comissão de Saúde da CÂMARA e ALEPA;

– Conselho Estadual e Municipal de Saúde;

– Conselho Regional de Medicina;

– Sociedade Médico Cirúrgica.

2 Comentários

  1. Pingback: Titular da Sesma discute plano emergencial no Sindmepa

  2. ANTÔNIO VIEIRA SOARES NETO on

    Como sempre o Sindicato dos Médicos ,contribui de forma decisiva no sentido de apresentar um plano para um
    serviço de saúde exemplar ,oferecendo dignidade as equipes de saúde e um atendimento de saúde a população
    de muita dignidade e responsabilidade .

Deixar um comentário