Afiliado a:

Sindmepa Informa – 14.05.2017

SANTA CASA 

Na última segunda-feira, 8, reunimos com a presidência da Santa Casa, junto com uma comissão de obstetras e ginecologistas da Fundação, para continuar os entendimentos envolvendo a manutenção da equipe de profissionais que tiveram seu contratos encerrados e renovados por apenas dois meses. O pagamento referente aos vencimentos atrasados já foi feito, continuando os debates para a solução do impasse relativo à manutenção do vínculo.

ESPANTO

Causa espanto a morosidade do SUS na marcação de exames de ultrassom mamária em Belém. Paciente que procurou a unidade de saúde da Marambaia em abril com dores recorrentes na mama descobriu que só poderá fazer o exame no mês de junho, quase três meses depois do pedido. Aí vem a pergunta que não quer calar: Se não se oferece estrutura na rede pública aos pacientes que observam as campanhas preventivas – nesse caso, o famoso Outubro Rosa – para que servem as campanhas?

ARQUIVADOS

A ação da assessoria jurídica do Sindmepa apontando falta de provas ou inconsistências processuais levou ao arquivamento de 25 processos contra médicos no CRM Pará, no período de janeiro a maio deste ano. É, sem dúvida, a eficiência somada à experiência dos profissionais da equipe da assessoria jurídica do Sindmepa em ação trazendo benefícios para a categoria médica.

NEGLIGÊNCIA

O descaso com a qualidade do atendimento no SUS continua. O sistema de especialistas da Sesma não oferece mais nefrologistas, neurologistas, reumatologistas e proctologistas. Outras especialidades como gastro e hematologistas chegam a demorar mais de seis meses para conseguir uma consulta. Com a palavra o prefeito.

VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA

Palestra proferida pela obstetra Léa Rosana sobre Violência Obstétrica na abertura da capacitação da IFMSA (Famaz-Brasil) deu novo enfoque à matéria. Questionou se a violência obstétrica é um termo infeliz para uma situação real. Levou em consideração as condições reais para o exercício da especialidade: faltam leitos, medicamentos, profissionais, pré-natal, remuneração, políticas públicas, custeio, atualização científica, gestores experientes e capazes. O aumento da mortalidade materna e infantil de 2012 é consequência. Este é um novo enfoque para um assunto quase sempre negligenciado? Para refletir.

SEM GESTÃO

O Brasil tem hoje 1.158 novas unidades do Sistema Único de Saúde (SUS) fechadas por falta de verba de custeio ou falhas no planejamento dos governos, segundo matéria divulgada pela imprensa esta semana. Dados do Ministério da Saúde apontam que estão nesta situação 165 UPAs e 993 UBSs. Estima-se que o Ministério da Saúde gastou mais de R$ 1 bilhão com obras de serviços jamais inaugurados. É a falta de competência para gerenciar o dinheiro público que joga pelo ralo os recursos da saúde e nos deixa na situação caótica em que estamos.

BALEAMENTO

O Sindmepa vem acompanhando a tragédia envolvendo o médico Willys Miranda Mendonça, baleado pela polícia militar do Pará, estando internado e em recuperação numa UTI. O Sindmepa, por meio de sua assessoria jurídica, vai pedir a apuração rigorosa dos fatos e dar todo o apoio ao colega e sua família neste episódio lamentável.

Deixar um comentário