qua

maio 22, 2024

Afiliado a:

Login

Espaço do Médico

qua

maio 22, 2024

Afiliado a:

Espaço Médio

Dez vacinas que previnem doenças infecciosas

Durante o mês de férias é importante manter os cuidados com a saúde, como usar protetor solar, manter-se hidratado e com a vacinação em dia. Principalmente para os que praticam esportes de forma profissional, ou só por diversão.

Algumas modalidades aumentam o risco de ferimentos superficiais, que facilitam o contágio por bactérias, e o convívio em grupo pode favorecer a transmissão de doenças. Pensando nisso, a médica infectologista, Helena Brígido, separou 10 vacinas que previnem doenças infecciosas.

  • INFLUENZA (GRIPE)

Os atletas podem ter infecções respiratórias e transmitir à própria equipe ou competidores. A dose é de uma aplicação intramuscular (IM) anual. Está recomendada a partir de 6 meses de idade

  • PNEUMOCÓCICA

Não são recomendadas de rotina para todo atleta, apenas para os que possuem risco aumentado, seja pela faixa etária ou pela presença de comorbidades.

As vacinas antipneumocócicas VPP23 e a VPC13 não estão disponíveis na atenção básica, apenas no Centro de Referência em Imunobiológicos Especiais (CRIE) e clínicas privadas.

Doses: Maiores de 5 anos e menores de 60 – para portadores de doenças de base – dose única de VPC13 e uma dose da VPP23 com intervalo de dois meses após a dose de VPC13. Reforço com a VPP23 cinco anos após a primeira.

Maiores de 60 anos: dose única de VPC13 e uma dose da VPP23 com intervalo de seis a doze meses após a dose de VPC13. Indica-se reforço com a VPP23 cinco anos após a primeira.

  • HEPATITE A

É importante para atletas de esportes aquáticos ou que viaja pela possibilidade de adquirir hepatite A. Além disso, o confinamento e convivência em grupos favorecem o risco de surtos da infecção.

A vacina é recomendada a partir de 12 meses de idade.

As aplicações devem ser em duas doses, com intervalo de seis meses (esquema 0-6 meses).

  • HEPATITE B

É recomendada para atletas em situações de relações sexuais sem preservativos, compartilhamento de materiais perfurocortantes, tatuagens, piercings, uso de drogas injetáveis e exposição a ferimentos com sangramento.

É recomendada em qualquer idade. As aplicações devem ser em três doses, sendo a segunda um mês após a primeira e a terceira seis meses após a primeira (esquema 0-1-6 meses).

  • FEBRE AMARELA

Recomendada para atletas diante de possibilidades de viagens para locais com muitos casos de febre a amarela e para países que exigem o Certificado de Vacinação e Profilaxia (CIVP). Vacinar com um tempo de, no mínimo, 10 dias antes da viagem para que sejam produzidos anticorpos protetores contra a febre amarela.

Aplicações: desde abril de 2017 o Ministério da Saúde recomenda dose única, mas não há consenso sobre a duração da proteção conferida pela vacina. A Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) recomenda uma segunda dose, de acordo com o risco epidemiológico.

Contraindicada relativa em gestantes.

  • MENINGOCÓCICA

Recomendada para atletas devido à variedade de distribuição geográfica dos sorogrupos da bactéria causadora, a Neisseria meningitidis.

As aplicações IM: devem ser:

– Crianças – verificar detalhes no site da SBIm (sbim.org.br).

– Adolescentes: preferencialmente a vacina quadrivalente ACWY, mas na impossibilidade desta, deve ser aplicada a vacina meningocócica conjugada do tipo C (disponível nas unidades básicas de saúde) – duas doses com intervalo de cinco anos OU em duas doses com intervalo de um a dois meses.

– Adultos: dose única da vacina meningocócica conjugada e duas doses (com intervalo de um a dois meses) da vacina meningocócica B.

  • SARAMPO, CAXUMBA e RUBÉOLA

Os deslocamentos de atletas em competições e o convívio em ambientes fechados com pessoas de nacionalidades distintas aumentam o risco dessas infecções.

Aplicações IM: Duas doses da vacina a partir de 1 ano de idade, com intervalo mínimo de um mês entre elas.

Adultos com esquema completo, não há evidências que justifiquem uma terceira dose como rotina, podendo ser considerada em situações de surto de caxumba e risco para a doença.

Contraindicada em gestantes e imunossuprimidos.

  • VARICELA

Risco por constantes viagens e convivência em confinamentos.

Aplicações IM: duas doses a partir de 1 ano de idade – até 12 anos de idade, intervalo mínimo de 3 meses; a partir de 13 anos, intervalo mínimo de um mês.

Contraindicada em gestantes e imunossuprimidos.

  • HPV

Recomendada preferencialmente antes do início da atividade sexual.

Aplicações IM:

– Meninas e meninos menores de 15 anos é de duas doses com intervalo de seis meses (0 – 6 meses).

– Adolescentes com idade ≥ 15 anos, imunodeficientes de qualquer idade e adultos não vacinados anteriormente: três doses (0 – 1 a 2 – 6 meses).

Contraindicada em gestantes.

  • DIFTERIA, TÉTANO E COQUELUCHE

A prática de esportes e exercícios físicos possibilita a ocorrência de ferimentos e acidentes perfurocortantes que facilitam a entrada da bactéria Clostridium tetani na pele e mucosas.

Aplicações IM:

– Adolescentes, adultos e idosos vacinados com três doses mesmo que a última há mais de dez anos: uma única dose da vacina tríplice bacteriana do tipo adulto (dTpa ou dTpa-VIP) e, a partir daí, uma dose de dTpa (ou dTpa-VIP) a cada dez anos.

– Adolescentes, adultos e idosos nunca vacinados ou com história vacinal desconhecida: uma dose de dTpa e duas doses de dT no esquema 0 – 2 – 4 a 8 meses.

 

*Com informações do site helenabrigido.com.br

Veja mais
Músico apresenta Através do Tempo na Quarta Musical

Músico apresenta Através do Tempo na Quarta Musical

José Maria Bezerra volta à Quarta Musical do Sindmepa com o show “Através do Tempo”, título do álbum lançado em março deste ano. O músico apresentará o repertório autoral em

Sindmepa Informa – 18.09.2023

Sindmepa Informa – 18.09.2023

PARALISAÇÕES Médicos das UPAs Marambaia, Jurunas e Terra Firme comunicaram ao Sindmepa na ultima sexta-feira que iriam paralisar os atendimentos nas unidades novamente por atraso de pagamento. O último repasse

CFM atualiza termos para publicidade médica

CFM atualiza termos para publicidade médica

Após processo que durou mais de três anos, o Conselho Federal de Medicina atualizou as regras de publicidade médica. Para definir as novas diretrizes foi realizada uma consulta pública, que