WhatsApp: (91) 8895-3102
S.O.S Sindmepa: (91) 99893386
Afiliado a:

Estudantes do internato de medicina estão preocupados com demora no retorno das aulas práticas

0

O Sindmepa, por meio do seu Núcleo Acadêmico, vem acompanhando a mobilização dos Estudantes de medicina do internato da Universidade Federal do Pará (UFPA) pelo retorno às aulas práticas, suspensas oficialmente desde o dia 19 de março. De modo geral, os alunos estão preocupados com a demora no retorno das atividades práticas e com a qualidade da formação acadêmica.

O diretor da Faculdade de Medicina, professor Silvestre Savino Neto, informou hoje que a UFPA ainda não tem posição oficial sobre o retorno às aulas. “No momento, não há nenhuma resolução aprovada, estamos em avaliação e planejamento para um retorno”, disse.

Ele foi convidado a participar da reunião de diretoria do Sindmepa na próxima terça-feira: “Convidamos o Professor Silvestre a estar presente em nossa reunião virtual para nos esclarecer sobre a situação e para que possamos tranquilizar os estudantes”, afirmou o Diretor Waldir Cardoso.

O assunto chegou ao Sindmepa após várias solicitações de estudantes feitas por meio do canal eletrônico de coleta de demandas do Sindmepa, no período de 18 a 20 de Julho de 2020, abrangendo o tema do retorno às atividades acadêmicas curriculares das turmas do internato da Faculdade de Medicina e Cirurgia do Pará pertencente à UFPA.

Em seguida os representantes do Núcleo Acadêmico criaram um canal de comunicação entre os representantes de turmas ou subgrupos do internato da Famed – UFPA, para saber como o sindicato poderia ajudar os discentes frente às demandas prévias que haviam sido enviadas.

Os representantes pediram algum tempo para se organizar e gerar propostas entre as turmas para que posteriormente fosse encaminhada uma resposta oficial mais consistente sobre as formas que o sindicato poderia ajudá-los. O Sindmepa aguarda agora o documento dos estudantes.

Leave A Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Sindicato dos Médicos do Pará