ter

maio 21, 2024

Afiliado a:

Login

Espaço do Médico

ter

maio 21, 2024

Afiliado a:

Espaço Médio

Manifestação do Sindmepa sobre a contratação de cubanos

Tomamos conhecimento que o governo do estado vai recrutar 300 “médicos” cubanos e oferece-los às 144 prefeituras do estado, que ficarão responsáveis por sua contratação e pagamento.

Cumpre-nos alertar que estes profissionais não são médicos. Pelo menos no Brasil. Aqui não estão habilitados para o exercício da medicina porquanto não revalidaram seus diplomas e, portanto, não demonstraram que acertam pelo menos 50% do conteúdo das provas do REVALIDA. Dados do Conselho Federal de Medicina dão conta que, nos exames de REVALIDA já realizados, menos de 10% dos cubanos que se submeteram às provas obtiveram aprovação. Isto denota que a formação recebida por eles é muito inferior àquela dada a um médico formado no Brasil.

Trazidos ao nosso país através de convênio do governo brasileiro com a OPAS em 2013, para atuar exclusivamente na atenção primária, foram retirados do país pelo governo cubano logo após a vitória do presidente Bolsonaro na eleição de 2018.

Ficaram no Brasil cerca de 1.800 destes que se recusaram a retornar à Cuba e voltar a viver sob o jugo da ditadura dos Castro. Passaram a viver no Brasil sem profissão definida. São estes profissionais que estão sendo recrutados pelo governo do Estado para atuar no atendimento de pacientes vítimas da COVID, juntando-se aos 86 que já foram contratados em abril deste ano e estão trabalhando, inclusive em Belém.

A extensiva utilização desta mão de obra, que não tem experiência em atendimento médico de alta complexidade, em UPAs, nas urgências dos Hospitais de Campanha, em salas vermelhas e em UTIs, nos preocupa. E muito. Circula à larga, entre os médicos e a comunidade, receitas estapafúrdias prescritas por eles. Temos sérias dúvidas acerca da qualidade do atendimento destes profissionais.

Por oportuno, chamamos a atenção dos médicos que assinam atestados de óbito de pacientes assistidos por estes cubanos. Atentem para o risco ético a que estão se submetendo. E aos diretores clínicos e técnicos de UPAs e Hospitais, para as responsabilidades éticas e penais que podem incorrer ao chancelar o trabalho destas pessoas.

Aspecto humanitário a ser considerado é que estes profissionais, vítimas e fugidos da ditadura cubana, passam agora a ser vítimas e neoescravos do governo do Estado, das prefeituras e Organizações Sociais que dirigem os Hospitais de Campanha. Sem outra opção de emprego, trabalham em jornadas exaustivas e por valores muito inferiores àqueles pagos a um médico com CRM.

Instamos o Ministério Público, legítimo guardião do interesse público e defensor dos direitos constitucionais a instaurar, ex-oficio, procedimento investigativo para que a sociedade tenha a real dimensão do que significa para a saúde a utilização desta mão de obra, no atendimento da COVID e, por questão humanitária, contribuir para que estes profissionais cubanos saiam da semiclandestinidade e possam exercer sua cidadania plena em solo brasileiro.

Diretoria Colegiada do Sindmepa

Veja mais
Músico apresenta Através do Tempo na Quarta Musical

Músico apresenta Através do Tempo na Quarta Musical

José Maria Bezerra volta à Quarta Musical do Sindmepa com o show “Através do Tempo”, título do álbum lançado em março deste ano. O músico apresentará o repertório autoral em

Sindmepa Informa – 18.09.2023

Sindmepa Informa – 18.09.2023

PARALISAÇÕES Médicos das UPAs Marambaia, Jurunas e Terra Firme comunicaram ao Sindmepa na ultima sexta-feira que iriam paralisar os atendimentos nas unidades novamente por atraso de pagamento. O último repasse

CFM atualiza termos para publicidade médica

CFM atualiza termos para publicidade médica

Após processo que durou mais de três anos, o Conselho Federal de Medicina atualizou as regras de publicidade médica. Para definir as novas diretrizes foi realizada uma consulta pública, que