qui

jun 13, 2024

Afiliado a:

Login

Espaço do Médico

qui

jun 13, 2024

Afiliado a:

Espaço Médio

Estudo aponta que a carga viral cai para infecções que ocorrem pelo menos 12 dias após a primeira dose da Pfizer-BioNTech

Uma nova pesquisa em Israel oferece pistas precoces de que pelo menos uma vacina – a opção baseada em mRNA da Pfizer-BioNTech, que também está sendo usada no Canadá – pode levar a cargas virais mais baixas, sugerindo que pode ser mais difícil para alguém espalhar o vírus se forem infectados após a vacinação.

Em um estudo divulgado publicamente na segunda-feira como um preprint não publicado e não revisado por pares, uma equipe de pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Israel, da Universidade de Tel Aviv e dos Serviços de Saúde Maccabi descobriu que a carga viral foi reduzida em quatro vezes para infecções que ocorrem 12 a 28 dias após a primeira dose da vacina.

“Essas cargas virais reduzidas sugerem uma menor infecciosidade, contribuindo ainda mais para o impacto da vacina na disseminação do vírus”, escreveram os pesquisadores.

O virologista Jason Kindrachuk, professor assistente no departamento de microbiologia médica da Universidade de Manitoba, disse que é um jogo de espera para descobrir se a proteção contra doenças oferecida pelas vacinas de mRNA também pode conter a transmissão – uma ferramenta fundamental para diminuir a pandemia .

O especialista em doenças infecciosas com sede em Toronto, Dr. Isaac Bogoch, membro da força-tarefa de vacinação de Ontário, concordou que essas descobertas iniciais – que ainda exigem revisão por pares – não são um “home run” científico, mas oferecem esperança na luta contra COVID -19.

Israel está entre os líderes mundiais nas taxas de vacinação COVID-19, com o Maccabi Healthcare Services vacinando mais de 650.000 pessoas até 25 de janeiro, observou o jornal, dando aos pesquisadores um grande conjunto de dados em comparação com o que existe até agora em muitos outros países.

A equipe analisou os resultados do teste COVID-19 de aproximadamente 2.900 pessoas com idades entre 16 e 89, comparando os valores de limiar do ciclo de infecções pós-vacinação após a primeira dose com os de testes positivos de pacientes não vacinados.

O resultado sugere que infecções ocorrendo 12 dias ou mais após apenas uma dose de vacina “reduziram significativamente as cargas virais, potencialmente afetando a disseminação viral e contagiosidade, bem como a gravidade da doença”, concluiu a equipe.

O estudo observacional não foi um ensaio randomizado controlado – o que significa que os pesquisadores não puderam concluir uma relação direta de causa e efeito – e ainda não foi publicado em um jornal científico. A pesquisa também tem limitações notáveis, reconheceram seus autores.

Fonte: Yahoo News

Veja mais

Mais populares: