qua

maio 22, 2024

Afiliado a:

Login

Espaço do Médico

qua

maio 22, 2024

Afiliado a:

Espaço Médio

Justiça condena OS e Estado a pagar salários de médicos do Hangar e Abelardo

A justiça condenou a Organização Social Santa Casa de Pacaembu e as empresas médicas Medplantões e Via Care a pagar indenizações por danos morais coletivos no aporte de R$ 100 mil pela contratação irregular de médicos para trabalhar no hospital de campanha do Hangar e Abelardo Santos, na linha de frente do combate à pandemia no ano passado. Também foi julgado procedente o pleito de que o Estado do Pará deve ser condenado a responder, de forma subsidiária, pelo pagamento das obrigações trabalhistas não pagas pela OS, bem como as penalidades da lei pelo descumprimento da sentença. A Ação Civil Pública que deu origem à sentença foi postulada pelo Sindmepa junto ao Ministério Público do Trabalho.

Os médicos foram contratados no ano passado em pleno auge da pandemia sem ter seus vencimentos pagos a contento. Muitas denúncias chegaram ao Sindmepa apontando o problema. Além de não pagar o vencimento dos médicos, a OS Pacaembu contratou duas empresas, terceirizando e quarteirizando o contrato que mantinha com o Estado. Para fraudar a relação de trabalho, era solicitado aos médicos que entrassem como sócios das duas organizações, mascarando a falta de direitos trabalhistas.

“A fraude trabalhista praticada pela OS foi plenamente reconhecida, bem como a histórica conivência do estado com a situação, tudo muito bem embasado na legislação que rege as OS e o contrato de gestão vigente”, ressalta o diretor do Sindmepa, Waldir Cardoso.

Na Ação impetrada pelo MP ressalta-se que “fica claro que a Lei das Organizações Sociais, como a OS Pacaembu, determina que elas devem prestar o serviço público por meio de seus funcionários, os quais são regidos pela CLT. Portanto, não pode o Judiciário chancelar o simples repasse às empresas privadas com fins lucrativos, eis que ficou demonstrado que essa conduta tinha o intuito de fraudar o direito dos trabalhadores, o princípio da impessoalidade, da legalidade e o da moralidade”.

“Todo o entendimento que sempre tivemos sobre a falta de fiscalização por parte do Estado e descumprimento do contrato por parte das OS está na decisão do juiz”, frisa Waldir Cardoso.

DECISÃO

“A OS Pacaembu deveria ter procedido a execução “direta” das ações e serviços de saúde em hospitais públicos, prestados em decorrência de contratos de gestão firmados com o Estado do Pará, assim, deveria ter somente utilizado os servidores cedidos por este ou funcionários seus, com vínculo de emprego. Portanto, como não observou os ditames normativos e contratuais, é declarada a responsabilidade solidária pela quitação dos encargos trabalhistas pendentes e que exsurgiram para a efetivação da contratação direta da mão de obra”, diz o texto da decisão judicial.

Já o Estado do Pará deveria ter procedido a fiscalização do cumprimento integral das obrigações trabalhistas, decorrentes de contratos de gestão, cujo objeto esteja adstrito a execução e operacionalização das ações e serviços de saúde em hospitais localizados no Estado do Pará (Hospital de Campanha do Hangar e Hospital Abelardo Santos).

Sobre a participação do Estado do Pará a sentença atribui a responsabilidade “de forma subsidiária, pela satisfação das obrigações trabalhistas inadimplidas pela segunda, terceira e quarta reclamadas, bem como as penalidades advindas em face do descumprimento”.

Por fim, a sentença também declarou a nulidade do ato social que impôs aos médicos serem incluídos como sócios na Med Plantões e na Via Care para poderem receber a contraprestação do serviço de saúde pertinente ao contrato de gestão ora analisado.

Veja mais
Músico apresenta Através do Tempo na Quarta Musical

Músico apresenta Através do Tempo na Quarta Musical

José Maria Bezerra volta à Quarta Musical do Sindmepa com o show “Através do Tempo”, título do álbum lançado em março deste ano. O músico apresentará o repertório autoral em

Sindmepa Informa – 18.09.2023

Sindmepa Informa – 18.09.2023

PARALISAÇÕES Médicos das UPAs Marambaia, Jurunas e Terra Firme comunicaram ao Sindmepa na ultima sexta-feira que iriam paralisar os atendimentos nas unidades novamente por atraso de pagamento. O último repasse

CFM atualiza termos para publicidade médica

CFM atualiza termos para publicidade médica

Após processo que durou mais de três anos, o Conselho Federal de Medicina atualizou as regras de publicidade médica. Para definir as novas diretrizes foi realizada uma consulta pública, que